Permanente afro – dúvidas e Respostas

 

O permanente afro é um tema que sempre gera muita polêmica. Como fazer? Quem pode? Qual o intervalo entre as aplicações? Muitas mulheres buscam esta técnica na esperança de ter cachos mais maleáveis e definidos, pois o procedimento muda a estrutura dos fios crespos e os transforma em fios cacheados, no entanto, nem todas podem fazer.

A cabeleireira e técnica da Onduladus, Bárbara Moura, tirar as dúvidas sobre o procedimento. Confira!

  • O processo envolve três passos básicos: alisar, enrolar e neutralizar. Antes da aplicação é necessário fazer um teste. O cabeleireiro vai separar uma pequena mecha do cabelo, aplicar o produto e esperar alguns minutos para ver se o fio está com a resistência adequada. Se tudo correr bem, o cabelo é lavado para a retirada das impurezas e, em seguida, passa-se o creme para alisar os fios.
  • Após a desestruturação dos cabelos, aplica-se um líquido de ondulação e ele é enrolado com os famosos rolinhos de plástico, os bigoudins ou bobs. São eles que vão formar o cacho. Como há várias espessuras, quanto maior o “bob”, maior será o cacho. O próximo passo é a neutralização e hidratação. No permanente é utilizado o tioglicolato de amônia, mas em quantidade menor, menos agressiva.
  • Quem pode fazer: qualquer pessoa que possui o cabelo crespo, do tipo que não forma cachos e não tem definição. Geralmente, este tipo de cabelo tem formato de zigue zague e é mais ressecado.
  • Quem não pode fazer: quem usa reflexo, tintura e descoloração. Para fazer o permanente, é necessário respeitar o limite de pelo menos sete meses sem química nos fios. A mistura de diferentes químicas pode ser bem desastrosa.
  • Tempo de aplicação: de duas a três horas.
  • Manutenção: passar hidratante, xampu e creme diariamente, além de máscara de hidratação profunda para os fios semanalmente. Devido à amônia aplicada no permanente, os fios ficam com as escamas abertas e os cuidados no dia a dia devem ser redobrados, para que os cabelos não ressequem e fiquem quebradiços.
  • Duração do efeito: em média, quatro meses com manutenção rígida. O ideal retoca o permanente apenas na raiz que for crescendo.
  • Corte: deve-se tirar as pontas do cabelo antes de aplicar o permanente. Um bom truque é cortar utilizando uma régua para evitar que os fios fiquem com comprimento diferente.
  • Preço: cada salão e cada profissional cobra um preço, no entanto, ele costuma variar de R$200 a R$500.

fonte > cabeleireiros.com

1 Comentário

  • Vou fazer um permanente com o Tioglicolato de Amônia, vim ver suas dicas e fiquei com dúvidas.
    Aplico o tioglicolato nos fios, deixo agir o tempo necessário, após enxáguo bem, tirando todo o resíduo do produto, passo o neutralizante e coloco os bigudins… deixo agir por mais alguns minutos, enxáguo, tipo os bigodins e hidrato??
    Por favor, se você puder ver se é isso mesmo, porque não estou encontrado bons produtos para permanente aqui… e quando encontro é de litro, ai fica muito dispendioso.

    Obrigada mesmo

Deixe seu comentario aqui: