Katy Perry Pinta os Cabelos de Rosa

Oi meninas estou begeeeeeeeeeeeee, ontem falei AQUI dos cabelos loiros na cor ” burro quando foge” da cantora Katy Perry que vem lutando com tantas químicas para clarear as madeixas e finalmente ficar loira .Mas acho que a moça pelo visto também ficou nervosa com a cor de seus cabelos loiros manchados de vermelho e dourado que acabou aderindo um tom de rosa pink .

Ontem a noite mesmo eu vi essa notícia navegando pela net e lógicamente guardei a foto para hoje postar essa metamorfose esquisitérrima que ela anda fazendo. Dessa vez ela esta parecendo que pintou os cabelos com papel crepom bem coisa de carnaval. Ou será que ela ta inspirada na personagem ET de seu último video? Sei lá rs , só sei que quanto mais a moça mexe na cor dos cabelos a coisa ta ficando pior.

Em menos de duas semanas ela já passou por cores já mais imagináveis.Será que ela ta economizando um $$$ e ta fazendo essas lambanças capilares em casa??????

Katy usou o seu Twitter para dizer:

Eu estive tingindo meu cabelo desde às 22h! Meu Deus, deixe-me chegar ao meu destino hoje à noite! #fuimorena #fuiazul #fuiruiva #fuiloira #agora…”, tuitou a cantora no dia 25 de julho, completando, mais tarde, “Ainda em transição……………exercitando a paciência!”.

Ao que tudo indica todas as tinturas que a cantora anda fazendo estão dando errado desde Junho e não irá me surpreender nada que ela em apareça novamente morena ou até mesmo CARECA !

– SOCORRO A EMENDA SAIU PIOR QUE O SONETO! rs

 

 

5 Comentários

  • Adorei kkkkkkkkkkkk me identifiquei muito, pq a cada mês estou com uma tonalidade diferente no cabelo rsrs Adorei seu blog, Adri. Bjks!! 😉

  • Gosto muito do seu blog. Queria fazer só uma observação: não existe cor de burro quando foge… O ditado correto é corro de burro quando foge…

    Obrigada

    • Expressão:

      cor de burro quando foge

      1. tom de marrom pouco atrativo
      * mas por minha vida que a carraspana de hoje ainda me concede apreciar devidamente aqui o meu amigo Fabrício, que talvez acaba de chegar de alguma visita diplomática, vestido com esmero e alinho, porém tendo a cabeça encapuçada com a vermelha e velha carapuça do Leopoldo; este, ali escondido dentro de seu robe de chambre cor de burro quando foge, e sentado em uma cadeira tão desconjuntada que, para não cair com ela, põe em ação todas as leis de equilíbrio, que estudou em Pouillet; A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo.

      fonte: Wikcionário

      “cor de burro quando foge”, algumas pessoas acreditam que o termo tem uma significação quase que literal. Afinal de contas, a cor parda que um burro “pega”, após correr léguas e mais léguas por uma estrada de chão, pode lembrar bem aquele tom estranho de um carro, blusa ou cabelo que vemos por aí.

      Mesmo sendo plausível, essa explicação nunca foi historicamente comprovada em algum livro de época, carta ou documento formal. De fato, a explicação mais aceitável desse mistério encontra-se na antiga expressão coloquial “corro de burro quando foge”. Registrada pelo gramático Antônio de Castro Lopes (1827 – 1901), o indício leva-nos a crer que o uso equivocado da expressão original acabou dando origem à “cor de burro quando foge”.

      Apesar dos termos não terem nexo algum entre si, essa não é a primeira (e talvez nem a última!) que esse tipo de transformação pelo erro acontece. Investigando a origem de outros termos, veremos que a fala não se perpetua ao longo das gerações. Assim como os comportamentos, gostos e hábitos, as expressões populares assumem feições que estão ameaçadas pelo esquecimento ou pela reinvenção de alguém que escuta um dito da forma que bem entende.

Deixe seu comentario aqui: